Fotografia artística de Natureza e Paisagem Natural

 Madrugada no Coração da Serra, 21 de Junho de 2009, 6h da manhã Lagoa do Peixão, Serra da Estrela Hélio Cristóvão Fotografia Paisagem Natural Portugal Montanha
Madrugada no Coração da Serra, 21 de Junho de 2009, 6h da manhã

No pico de cores da Primavera e na distinta data do Solstício de Verão de 2009, 3 fotógrafos portugueses, amigos e experientes em fotografia de Natureza e Paisagem, reúnem-se para ingresso ao coração da montanha da Serra da Estrela, com destino a uma das suas mais puras e místicas lagoas, pernoitando junto dela para fotografar a sua essência, nas reunidas condições de cor da Estação, ausência de vento, céu limpo e noite de duração mais curta no ano.

O alcance da Lagoa de Peixão fez-se através dos lagos de Chancas, nas proximidades da Torre. Em cerca de 1h30m, é necessário vencer um desnível de 200 metros, numa extensão de 1,5 km, descendo na proximidade da margem de uma linha-de-água, escarpada. Caminha-se por entre toda a biodiversidade que lhe é inerente, acompanhando sempre o recorte serrano de lajes escarpadas de enormes maciços de granito, por vezes densificando-se de vegetação de mata abundante em giesta e zimbro.

A lagoa é a maior de origem glaciar na serra e sendo de água nascente, a origem de água montante escoa para o majestoso Vale Glaciar da Candieira, que por sua vez é afluente ao caudal do Zêzere. Na harmonia do ecossistema lagunar, os aromas da primavera misturados com o som de aves e insectos que povoam o vale, a presença humana é tão ténue neste pedaço de Portugal, que as borboletas se deixam ficar, quase inertes nas plantas onde poisam. Elas deixam-se ser fotografadas. Ao entardecer, esta harmonia de natureza no seu estado mais puro atinge um clímax, típico da fronteira entre o dia e a noite. Aproxima-se o crepúsculo, onde a luz se revela de magia própria nestas altitudes, o Sol Poente rasa agora o horizonte, e a montanha, essa, recebe a graciosa luz quente – a última luz do dia, é tangente aos picos de montanha iluminando-a, os picos reflectem os tons intensos de amarelo a laranja, e de vermelho, até ao castanho. Um pequeno intervalo de luz mágica, um deleite para o fotógrafo que compõe com esta luz.

Voltaremos a ter esta luz, na próxima madrugada, desta vez, uma luz nascente do novo dia, quando os cumes montanhosos orientados a Este revelar-se-ão iluminados com as cores quentes. Mas até lá, há que atravessar a noite.

Helio Cristovao Stratrails Serra da Estrela Montanha Fotografia Estrelas Lagoa do Peixão Mountain Night Photography

Chega a hora de montar tendas, de restabelecer energias, de sentir a envolvência do profundamente encaixado do Covão do lago à altitude de 1675 mt. Um espaço idílico, tão remoto mas revigorante. Afinal, reflectindo por momentos, não se trata apenas da viagem ao coração da Serra, e à sua origem de águas nascentes, glaciares; Esta pode bem ser uma viagem de espírito, face a tal magnitude fica-se a cismar e sim, há o medo. Por breve que seja a sensação, há mais que não seja o resquício do medo, esse que desperta o instinto da natureza humana, instinto que outrora nos valeu nos muito remotos tempos de caça, de sobrevivência. O Covão é esmagador e faz cismar.
Na noite profunda, os fotógrafos captam a luz das estrelas. Com um grito, os ecos da voz do Homem ouvem-se 3 vezes em covões mais distantes, qual som a atravessar montanhas com a latência do tempo.

Não há silêncio nocturno. Da fauna, distingue-se a presença dos morcegos e o incansável chilrear das rãs no seu habitat. Algumas horas passam, 2 garrafas de Branco e um maço de Ventil ajudam a ultrapassar e anima a presença, enquanto se compõem fotografias do céu estrelado, durante essas horas consecutivas. Depois, tenta-se dormir.

Chegada a madrugada, às 4:30h observa-se já o azul suave da aurora. Antes de abraçar a luz do Sol do Novo dia, há que caminhar, para atempadamente reconhecer a margem de jusante do Lago, local esse o escolhido para obter fotograficamente os melhores enquadramentos virados para a montanha que receberá a primeira luz do Sol. Montados os tripés, cada autor ao seu estilo, assim o espírito ajude composição, chega a hora de sentir a adrenalina. O Sol nasce. A crista da montanha recebe a luz, a magia volta a acontecer. Mas desta vez, a essência está a ser gravada. A Natureza é uma dádiva, por instantes, o cenário não se trata apenas de um local magnífico, a Serra da Estrela torna-se… Poesia.

3 Fotógrafos de natureza crêem ter realizado história, num estilo de fotografia inusual em Portugal, mas que com sonho e empenho, se espera modificar tal quadro.

Com a técnica, talento, alguns quilos de equipamento e muita motivação, os fotógrafos criaram imagens únicas de enorme beleza e trouxeram uma mensagem do coração da Serra da Estrela: A natureza do nosso país é rica na proporção da nossa alma. Há que descobrir o nosso país, assim como a nossa alma.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *